Como a escuta terapêutica beneficia o seu cérebro

A escuta terapêutica entrou numa lacuna entre a medicina e a ciência, a busca por respostas além do que teóricos já sabiam sobre saúde mental no século XIV. O cérebro possui um extremo potencial de mudança, o que chamamos de neuroplasticidade.

 

Por conta dos mecanismos plásticos, as experiências e o modo como encaramos as emoções provocam uma série de transformações no cérebro, como exemplo são os casos de depressão e ansiedade, cada vez mais presentes na clínica.


Leia também: Quando procurar um neuropsicólogo?


Se você ainda tem dúvidas sobre os benefícios da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) para a sua saúde emocional confira esse post e mais informações que vou apresentar a seguir.


Desmistificando: psicoterapia é falar as angustias? É o mesmo que desabafar com um amigo?


O primeiro passo é desmistificarmos o trabalho da Terapia Cognitivo-Comportamental. Embora hoje já possamos contar com uma gama de informações a respeito da seriedade do trabalho psicoterápico ainda há quem acredite nesse mito da pergunta acima.


O psicoterapeuta, diferente de um amigo, não se baseia em intuições ou experiência própria, mas em fundamentos consolidados e teorias no campo da psicologia sobre padrões de comportamento humano.


Confira: Do que você tem medo?


Desabafar com um amigo é muito válido e necessário em momentos de aflição e dependendo do nível de maturidade e experiência pessoal desse parceiro, o conselho pode ser bem-vindo. Porém, psicólogos não são conselheiros, mas profissionais do setor da saúde emocional.


É preciso compreender a origem dos nossos sentimentos, chamados gatilhos, que vêm de crenças e pensamentos disfuncionais, para então ressignificar nossos problemas e podermos seguir em frente. 


A psicoterapia é um tratamento, é preciso enxergar as emoções como um campo essencial da saúde, compreender como atuam as doenças psicossomáticas e os mecanismos profundos de pesquisa e clínica envolvidos nesse trabalho.


Onde habita as emoções no cérebro


Antes dos conhecimentos avançados em neurociências e aspectos mais profundos do encéfalo no que diz respeito às emoções, a psicoterapia era um campo intangível. Sabíamos da sua precisão, mas entendíamos pouco como ela atuava, principalmente no que diz respeito às regiões do cérebro e possíveis efeitos na área do córtex.


O neurologista e psiquiatra alemão Korbinian Broadman por volta do século XVIII fez uma descoberta muito interessante sobre uma possível divisão de regiões no córtex. Denominou 52 áreas distintas que ficaram conhecidas como áreas de Broadmann.


Cada uma dessas regiões, segundo Broadman, respondiam a comportamentos cognitivos, motores, sensitivos, visuais, auditivos e muitos outros. Essa relação  já foi revisada atualmente, mas ajuda na compreensão de que o cérebro se organiza de alguma forma.


No ato de falar sobre suas emoções você integra diversos circuitos na região cerebral, traz à tona memórias e com a orientação terapêutica, ou seja, investigação com aplicações técnicas da Terapia Cognitivo Comportamental é possível se livrar de pensamentos ruminativos, crenças e traumas. 


A grande questão não é simplesmente mexer em feridas, mas você irá aprender a lidar com as próprias emoções, sem deixa-las te paralisar. Vai aprender a gerar novas respostas emocionais e com isso ativar no seu cérebro sistemas acerca daquilo que te aflige.


Todos nós estamos sujeitos a dor, às limitações, e o nosso cérebro, graças à plasticidade e aos mecanismos flexíveis, nos apresenta a chance de remodelar essas respostas, seja pelo campo emocional ou cognitivo. 


Evidências científicas sobre os benefícios da TCC para o cérebro


A escuta terapêutica e os seus benefícios para o cérebro é um tema muito investigado na área de pesquisa. Um estudo publicado na Nature em 2015 avaliou por meio de exames de ressonância magnética funcional um grupo de 26 pacientes que sofriam de ansiedade.


A pergunta seria a seguinte: a psicoterapia altera o volume do cérebro ou sua

atividade? 


E os resultados foram interessantes. Após avaliar os exames de imagens antes e depois da psicoterapia houve mudanças no volume da região da amígdala e também uma reorganização que resultou num maior volume de substância cinzenta.


A amígdala é uma região associada às emoções, enquanto a substância cinzenta possui um importante papel de regulação no sistema nervoso central.


Conclusão:


A Terapia Cognitivo – Comportamental é uma abordagem da psicologia com o objetivo de erradicar crenças ou padrões irracionais de pensamento;


Tratamento auxilia o paciente a enxergar possíveis erros em sua interpretação e uma conscientização sobre o atual comportamento;


Costumamos dizer que a TCC vai atuar no “aqui e agora” a partir do relato das angústias e medos do paciente apresentando-lhe por meio de técnicas específicas uma nova óptica sobre suas interpretações;


Conscientiza sobre os padrões de pensamentos prejudiciais e impactos na saúde psicológica e o bem-estar social;


Traz um novo panorama de experiências ao paciente, uma vez que conseguirá enxergar com racionalidade e clareza, além de possuir objetivos de tratamento a curto prazo com foco no "agora" e resolução de possíveis conflitos.


Há evidências científicas em constante atualização sobre os benefícios e possíveis alterações no cérebro provocadas pela TCC, considerada uma das abordagens mais eficientes dentre várias da psicoterapia, o que chamamos de "padrão ouro".


5 visualizações0 comentário