Como enfrentar a chantagem emocional? 4 ensinamentos da psicoterapia


Existem estratégias para lidar com a chantagem emocional

Como enfrentar a chantagem emocional? É possível dar fim às estratégias de manipulação e, quem sabe, encontrar um novo rumo para o relacionamento?

Vamos ser francos, essa missão é difícil.

Quem convive com um chantagista emocional sabe. Não é fácil admitir, mas não dá para negar: ele costuma conseguir o que quer.

E ele vai continuar repetindo essa estratégia, simplesmente, porque ela funciona.

Agora, a questão se complica porque não podemos “mudar a cabeça” de ninguém. Isso só acontece quando a própria pessoa decide experimentar ser diferente.

Então, você fica impotente diante da situação? Vira um refém?

Calma, talvez você esteja esquecendo de uma coisa essencial sobre a chantagem. Ela precisa de duas pessoas para funcionar. E uma delas, você pode mudar.

Você decide o seu comportamento.

Se continuar repetindo o que sempre fez, vai sempre encontrar o mesmo resultado.

Portanto, assuma a parte de responsabilidade que você tem nessa equação.

Experimente novas atitudes.

Mude a forma como você costuma enfrentar a chantagem emocional.

Como?

Não há um caminho mágico.

Mas existem algumas coisas que você aprender com a psicoterapia:



1. Saiba que mudar a forma de enfrentar a chantagem emocional será difícil para você

Infelizmente, você se acostumou a ceder.

Descobriu que assim poderia evitar brigas mais complicadas.

De certa forma, começou a aceitar que sua passividade seria melhor, mais segura.

Logo, mudar pensamentos e ações exige a coragem de romper com o que você já conhece.

Sim, é normal ter medo de fazer diferente.

É normal se ver repetindo um mesmo comportamento — ainda que ele nos faça mal — só para tentar se livrar rápido do problema.

Quando você se pegar pensando assim, tente lembrar deste trecho do livro da PhD Susan Forward, pioneira nos estudos sobre chantagem emocional:

Mudar é a palavra mais assustadora que existe.

Ninguém gosta disso, quase todo mundo tem medo disso, e a maioria das pessoas, inclusive eu, se tornará extremamente criativa para evitá-lo.

Nossas ações podem estar nos deixando infelizes, mas a ideia de fazer algo diferente é pior.

No entanto, se há uma coisa que sei com absoluta certeza, tanto pessoal quanto profissionalmente, é esta: nada vai mudar em nossas vidas até que mudemos nosso próprio comportamento”.


2. Ao enfrentar a chantagem emocional, assuma o lugar de um observador


Observe seu comportamento diante da chantagem emocional

Nem vítima, nem chantagista.

Se houvesse alguém de fora, que estivesse assistindo à situação, como interpretaria tudo?

Experimente fazer este exercício: lembre de uma situação de chantagem emocional que você já enfrentou.

Tente lembrar das coisas que passaram pela sua cabeça naquela ocasião. Quais emoções estava sentindo?

Agora, pense que você poderia dar um conselho para si mesmo naquele momento.

O que faria diferente? Qual ideia não lhe ocorreu naquela hora, mas lhe vem à mente agora?

Você não pode mudar o passado, claro. Mas olhar para ele pode dar pistas de erros que se repetem no presente. E vão continuar acontecendo no futuro, se você mantiver os mesmos pensamentos.


3. Desafie seus pensamentos automáticos ao enfrentar a chantagem emocional


A chantagem emocional provoca três sentimentos: medo, obrigação ou culpa.

Independente de qual dessas emoções você sente, você cede ao chantagista porque acredita que elas fazem sentido.

Mas será mesmo?

Você realmente não está cumprindo algo que prometeu? Ou simplesmente foi pego de surpresa com a imposição de “devolver um favor”, sem que nada tivesse sido combinado?

E a culpa, é sua? Você fez ou quer fazer algo que causa um mal objetivo à outra pessoa?


Ou vocês apenas têm pontos de vista e vontades diferentes?

Quando a chantagem envolve medo, é mais complicada.

Algumas ameaças podem ser bastante graves, pois o manipulador costuma usar segredos, pontos fracos e vulnerabilidades que significam muito para nós.

Se você tem um relacionamento muito próximo com alguém que lhe inspira medo, peça ajuda de um psicólogo.



Se o medo começar a te dominar, procure ajuda de um psicólogo

Passar por isso sozinho pode acabar com sua autoconfiança.

E, por incrível que possa parecer, sempre há uma solução na qual não pensamos. Confie em um profissional para ajudar você a encontrá-la.


4. Não responda à ameaça com outra ameaça

Quantas vezes você já disse “esta é a última vez” e fez exatamente o que o chantagista queria?

No fundo você sabe que deveria dar um basta, naquele momento.

Mas adia a atitude. Dá um novo crédito à pessoa.

Deixa a chantagem emocional vencer e, embora não seja sua intenção, prova ao manipulador que ela funciona.

Não vamos mentir: provavelmente vai doer e você se sentirá desconfortável ao, finalmente, resolver colocar seu bem-estar em primeiro lugar.

Você precisará ser forte.

Mas cabe a você mostrar que chegou ao seu limite e não mais aceitar o tratamento que recebe.

Lembre-se de que você não pode definir como a outra pessoa se comporta. Mas pode alterar sua reação a ela.

Ou seja, para enfrentar a chantagem emocional, faça o que você já entendeu que precisa ser feito.

Mostre, com atitudes, que você não está mais disposto a abrir mão de suas escolhas, de sua liberdade, de sua tranquilidade.

Seja firme em sua decisão, pois o chantagista provavelmente tentará convencê-lo a mudar de ideia.

Tenha em mente que é sua autonomia que está em jogo.

E se o relacionamento não puder sobreviver ao seu direito de fazer as próprias escolhas, é realmente mais sensato que ele chegue ao fim.





Clinica de Psicologia Nodari

Clínica de Psicologia Especializada em Terapia Cognitivo Comportamental.

Está localizada na Vila Mariana/SP

13 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.