Desorganização: estratégias para se livrar da bagunça sem se estressar



A desorganização impera em sua vida?


Está cada vez mais difícil enxergar uma luz no fim do túnel — porque a bagunça não deixa?


O tom pode ser de piada, mas quem vive em meio ao caos sabe: muitas vezes, ele realmente traz a sensação de impotência.


Aquelas dicas de organização que tantos distribuem são inspiradoras.


Há vontade de colocá-las em prática.


Mas quando a desordem se torna um hábito, é complicado operar no sentido oposto.

Na verdade, o que falta ao desordeiro não são referências de locais arrumados e organizações impecáveis.


O que lhe falta é o método para chegar até esse resultado.


E como encontrar um método para pessoas não metódicas?


É complicado ensinar técnicas para pessoas com desorganização crônica, pois seus objetivos são muito altos. Suas metas parecerem impossíveis de atingir.


Então, desanimam, já que o esforço necessário à mudança soa descomunal.


Mas hoje vamos desafiar esse entendimento.


Continue lendo e verifique como:


Desorganização e procrastinação


Procrastinação leva à desorganização — e vice-versa.


Ter esse raciocínio em mente é útil, pois significa que dicas para evitar a procrastinação também funcionam para casos de desorganização.


Um dos elementos em comum entre procrastinação e desorganização é o “deixar para depois”.


Mas o “depois” idealizado — repleto de fôlego, paciência e destreza — não chega.


As opções são desistir (e continuar adiando o trabalho) ou fazer algo absolutamente banal, que pouco modifica o cenário da bagunça.


Então, qual a saída?


Regra do mínimo esforço


Exatamente: valorize essa coisa “absolutamente banal” que está ao seu alcance realizar. É por ela — e não por acúmulos de anos — que você deve começar.


Saiba que nosso cérebro gosta de poupar energia. Ele nos faz evitar aquilo que demanda muito empenho de pensamento.


Claro, quando se trata de algo que nos interessa, que fazemos com prazer, a situação é outra.


Mas, convenhamos, quem olha para sua desorganização não está mirando um objetivo reconfortante.


Geralmente o cenário é confuso e angustiante.


Então, respeite seu cérebro e economize energia.


Escolha coisas mínimas, que podem ser resolvidas rapidamente, como se o seu intuito fosse de apenas iniciar a arrumação e não concluí-la.


Por que a estratégia funciona?


Porque ela irá auxiliar em 5 pontos que são dificuldades comuns de pessoas desorganizadas (e procrastinadoras):


1. foco delimitado (saber exatamente para onde olhar);


2. objetivo específico e tangível (a ideia de início — e fim — se torna concreta, diferente de quando se olha para a bagunça como um todo);


3. recorte temporário (pequenas desordens são rápidas de solucionar, não implicam grandes ajustes na agenda);


4. conclusão de tarefas (com sensação de satisfação pela pequena — mas real — mudança);


5. percepção de que a organização se dá, literalmente, um passo de cada vez.


Desorganização e tempo


A gerência do tempo é um dos maiores empecilhos de quem vive em desorganização.

Como não há um perfeito itinerário detalhado numa agenda, as horas nunca parecem suficientes.


A sensação é de estar sempre muito ocupado, sobrecarregado e, lógico, cansado demais para dar ordem a algo que, supostamente, pode esperar mais um pouco.


Qual a solução para esse impasse?


Experimente esta técnica:


15 minutos de faxina


Dedicar 2 horas para uma empreitada de organização pode representar um luxo para você.


Mas 15 minutos soa diferente.


É mais realista e viável.


A dica é estabelecer esse tempo como meta diária para um “exercício de faxina” — em qualquer ponto que esteja avolumando sujeira em sua rotina.


Pode ser a bagunça na mesa de trabalho, em seus emails, na lavanderia, na pia de louças ou no seu campo de visão mais imediato.


O procedimento é simples:

  • Limpe e organize, por 15 minutos.

  • Use um timer para marcar o tempo.

  • Faça no seu ritmo. Com a prática, os 15 minutos passam a ser cada vez mais produtivos — e “indolores”.


Desorganização e acúmulos


Desorganização pressupõe excessos. Tanto de compromissos quanto de objetos.

A chave para se livrar dessas duas fontes de acúmulos pode ser resumida numa habilidade:


Aprenda a dizer não


Avalie se os seguintes comportamentos são comuns em seu dia a dia — e comece a dizer mais “nãos” quando os perceber:

  • Perfeccionismo

Por não acreditar que outras pessoas possam ajudar em certas tarefas, há centralização de diversas funções.


Resultado: sobrecarga inadministrável, que exige tempo e disposição que extrapolam a realidade.


É difícil abandonar o perfeccionismo, mas tente exercitar a sabedoria popular do “feito é melhor que perfeito” sempre que tiver a oportunidade.


Delegue responsabilidades.


Seu horizonte de atuação ficará menos tumultuado.

  • Apego

Quantos itens inúteis ocupam espaço em sua casa, local de trabalho, carro ou bolsa?


Eles permanecem porque você se acostuma eles. Se tornam familiares.


E quanto mais as coisas demoram a sair, mais significado assumem.


Há pessoas que se apegam, sem perceber, a:

  • objetos danificados — que, definitivamente, não serão consertados;

  • papéis, que poderiam ser digitalizados;

  • roupas que já não expressam sua personalidade;

  • produtos fora do prazo de validade;

  • rotinas antigas, que não funcionam mais.


Para se ver livre desse hábito, é preciso dizer não à permanência.


Comece pelos itens mais fáceis de descartar.


O horizonte de organização o deixará motivado a prosseguir.

  • Culpa ou medo de causar má impressão

Você já pensou que sua desorganização crônica pode ser resultado de uma percepção exagerada?


Você acumula coisas a fazer e resolver, porque considera que é sua obrigação aceitá-las.

Mas será que todos esses acréscimos são tão urgentes? Só você pode resolvê-los? Não há espaço para negociação de prazos — mais sensatos à sua realidade?


Encontre e respeite seus limites.


Dizer não é humano e liberta de excessos.


Não assuma responsabilidades extras por medo de parecer grosseiro, improdutivo ou indiferente.


Se quiser ajudar, mostre soluções alternativas.


Estratégias extras


Confira em nossas redes sociais (Facebook e Instagram) sugestões adicionais que vão ajudá-lo a se livrar da desorganização.


O método você já tem. Agora é só começar a testá-lo!


#Psicologia #VilaMariana #Psicóloga #Desorganização #SaúdeMental #ClínicaDePsicologia

23 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.