Entenda como a reclamação afeta você e as pessoas a sua volta

Atualizado: 1 de Jun de 2019

Quantas vezes você se queixou hoje? Você já se deu por conta? Você é geralmente uma pessoa que gasta muito tempo reclamando? E quando está sem ninguém por perto, as reclamações rondam a sua cabeça mesmo assim? Se sua resposta a essas perguntas for sim, você pode estar contribuindo para o seu próprio estresse. Existem muitos fatores que influenciam o estresse, e um deles é o nosso próprio comportamento em relação à realidade que nos rodeia.


Muitas vezes nos sentimos sobrecarregados e precisamos expressar este sentimento de alguma forma. Mas, na maioria dos casos, as queixas são só lamentos que não produzem nenhuma mudança positiva em nossa vida. Ao contrário, as reclamações podem ter um impacto realmente negativo sobre nós e sobre as pessoas ao nosso redor.


Falamos daquelas queixas repetidas que não têm um resultado positivo e apenas ajudam a gerar em você emoções negativas e desconforto. E se você fizer isso continuamente, seu corpo pode interpretar essas queixas como uma ameaça. Neste caso, a resposta ao estresse pode ser ativada, liberando o cortisol para a corrente sanguínea, com o consequente efeito negativo na sua saúde.


Quando a reclamação é um hábito


Outra questão que devemos ter em mente é que a repetição desse hábito pode se tornar um padrão de comportamento. Em tudo aquilo que praticamos, acabamos nos tornando bons. Portanto, se o que praticamos diariamente é a reclamação, nos tornaremos especialistas. Do ponto de vista neurológico, pode ser explicado da seguinte forma:


Através do seu cérebro há uma coleção de sinapses separadas por um espaço vazio chamado "fenda sináptica". Toda vez que você pensa, uma sinapse dispara mediadores químicos através da fenda para outra sinapse, construindo assim uma ponte sobre a qual um impulso elétrico pode atravessar, carregando em sua carga a informação relevante do que você está pensando.


Cada vez que esta carga elétrica é ativada, as sinapses se aproximam umas das outras para diminuir a distância que a carga deve atravessar. De alguma forma, o cérebro está "religando" seu próprio circuito para tornar mais fácil a conexão das sinapses, facilitando a ativação do pensamento.


Dito de outra forma: quando você repete um comportamento, o cérebro entende que você gosta e permite que ele se torne automático.


Aos outros da nossa volta


Outra razão para repensarmos nossas reclamações é o efeito que causamos aos outros. Acabamos sendo invadidos por este estado de espírito. E as emoções são contagiosas, tanto positiva quanto negativamente.


Além disso, esse contágio emocional da reclamação se torna uma fonte de estresse. Se contagiamos uns aos outros por meio de reclamações contínuas no trabalho, por exemplo, o clima no ambiente acabará sendo insalubre.


Uma pesquisa do Departamento de Psicologia Biológica e Clínica da Universidade Friedrich Schiller, na Alemanha, afirma que a exposição a estímulos emocionais negativos, tipo as reclamações em geral, pode causar as mesmas reações emocionais experimentadas quando estamos extremamente estressados.


Já outras pesquisas científicas indicam que a negatividade é contagiosa, semelhante ao contágio de um resfriado. O Framingham Heart Study é um projeto que, desde 1948, coleta regularmente informações médicas e sociais de milhares de pessoas em Framingham, Massachusetts (EUA). O projeto descobriu que sentimentos como solidão ou negatividade parecem ser tão contagiosos quanto as doenças virais.


Um estudo que aborda “Os 10 comportamentos mais irritantes no local de trabalho", do pesquisador Dr. Pier Massimo Forni, da Universidade Johns Hopkins (Baltimore, EUA), indica na sexta posição o hábito de se comportar negativamente. De acordo com Forni, "é muito difícil trabalhar perto de alguém que está permanentemente com raiva e que todos saibam que ele odeia o seu trabalho.” Embora o comportamento agressivo não seja direcionado a ninguém em particular, uma pessoa que passa o dia batendo no teclado ou xingando cria um ambiente de trabalho muito desconfortável.


Alternativas saudáveis


Observe a si mesmo. Tente perceber quando você reclama de forma excessiva, causando desconfortos desnecessários. Pode ter se tornado um hábito e você pode nem estar ciente de que está fazendo isso.


Para tornar-se consciente e poder mudar sua atitude, as práticas de meditação podem ser úteis, pois nelas prestamos atenção aos nossos pensamentos e emoções. Com elas podemos conhecer nossas tendências e padrões de pensamento e esse é o primeiro passo para poder mudar.


Quando nós treinamos para dedicar alguns minutos por dia à nossa própria observação, nos conhecemos mais e ficamos mais conscientes dos nossos pensamentos, nossas emoções e nossos comportamentos. Assim, podemos tomar nota dos momentos em que nos queixamos, as emoções que esses pensamentos nos causam e avaliar se eles realmente agregam valor à nossa vida ou, ao contrário, a estão dificultando. É quando podemos escolher agir de outra maneira.

44 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.