Força para seguir em frente? Confira algumas técnicas que podem ajudar

Sempre há momentos na vida em que nos sentimos estancados. Pode ser um projeto criativo no qual estamos trabalhando, um relacionamento desgastado, dívidas e outras situações que parecem trancar até nosso desenvolvimento pessoal.


Aquilo que nos motivava inicialmente subitamente desaparece. E neste vazio gerado, tomam espaço a confusão, o desânimo e a relutância. Sentimo-nos oprimidos e presos, um sentimento terrível que por sua vez gera angústia, insegurança e desespero. O que podemos fazer nesses casos? Como encontrar a força que você precisa para seguir em frente?


1. Dê um passo atrás


Pode parecer uma contradição, mas quando você precisa de força para seguir em frente às vezes tudo que precisa fazer é dar um passo para trás. Ao assumir uma distância psicológica da situação, podemos aplicar a seguinte frase de Einstein: "Nenhum problema pode ser resolvido pelo mesmo estado de consciência que o criou.”


A ideia é que você gere um nível diferente de pensamento que lhe permita avaliar sua situação atual de uma outra perspectiva. Isso ajudará a ver as coisas em um outro ângulo e possivelmente com mais objetividade.


Para exemplificar um pouco a importância de dar um passo para trás, imagine a seguinte situação: Você está perdido na floresta. Você poderia seguir em frente procurando a saída. Você pode entrar em pânico e andar em círculos. Você poderia voltar de onde você veio. Você também pode simplesmente ficar onde está com a esperança de que a ajuda chegue em breve.


Agora pense que você pode parar, respirar profundamente e se afastar da sua situação. Imagine que você pode voar acima de tudo como se estivesse em um helicóptero e olhar para si mesmo entre as árvores. O que você veria quando mudasse a perspectiva? Uma rota diferente que você não podia ver antes.


Outra maneira de "fugir" é analisar a situação em que você está como se você fosse um observador neutro. Imagine que você é outra pessoa. Quais ideias ou conselhos você daria a si mesmo?


2. Definir o problema


É difícil avançar se você não entende por que está preso. A chave está em ser específico e identificar o que realmente está acontecendo. Você deve colocar em palavras o que acontece para compreender o problema e superá-lo. Muitas vezes, um problema bem definido pode conter sua própria solução.


Se você quiser encontrar um caminho, o primeiro passo é entender qual é o problema implícito, e o que o mantém preso. Quando você se aprofunda no problema e o desafia, as soluções geralmente aparecem.


Por exemplo, há uma grande diferença entre pensar: "Eu me sinto preso" e ou "Eu me sinto preso porque me preocupo com o que os outros pensarão de mim".


Faça a si mesmo perguntas como: "O que está me atrapalhando?" Quando você encontrar uma resposta, continue perguntando: "O que mais está me atrapalhando?". E siga assim até chegar ao problema real. Tenha em mente que geralmente as primeiras respostas não são as mais profundas, você terá que cavar para encontrar o real motivo.

Uma boa ideia é manter um diário terapêutico. Às vezes é mais fácil escrever os problemas porque você assume uma atitude mais distante que lhe permite expressar o que o preocupa sem sua  própria censura.


3. Encontre o porquê


Às vezes você pode se sentir estagnado porque perdeu de vista o panorama geral e, mais importante, esqueceu seu "porquê". E esse porquê é a razão pela qual se envolveu nessa jornada e tomou determinadas decisões. Em muitas ocasiões, grandes projetos demandam muito trabalho, e é normal que todas essas tarefas e hábitos nos façam perder a perspectiva.


Nesse caso você precisa lembrar o motivo pelo qual começou, quais paixões levaram você a esse ponto. Quais foram os objetivos que você queria alcançar em sua vida? Por que você quer alcançar aquilo que propôs?


Quando você ativa sua intenção e propósito original, recuperará a motivação intrínseca para seguir em frente. Conectar-se a essa razão mais profunda manterá você em movimento e permitirá que você supere obstáculos e enfrente tempos difíceis. Pergunte a si mesmo: Por que isso é importante para mim?


4. Desprenda-se do que não funciona


Se você anda em meio a lama, e sua bota prende ao barro, sem querer soltar, há duas opções para seguir: manter sua bota no pé e seguir atolado, ou tirar o pé do calçado e seguir em frente.


O mesmo acontece na vida. Quando ficamos presos muitas vezes preferimos manter os pés na lama para não abandonarmos nossas botas. Continuamos repetindo o que não funciona. A bota representa as crenças limitantes, velhos hábitos ou histórias que estamos revivendo.


Em alguns casos, para seguir em frente precisamos praticar o desapego, liberar o que se tornou um fardo para podermos decolar. Às vezes temos que nos livrar de nossa bagagem emocional, pois algumas das coisas às quais nos apegamos são justamente aquelas que nos mantêm presos e nos impedem de ir mais adiante.


Devemos ter em mente que na vida há coisas mutuamente exclusivas. Isso não quer dizer que devemos largar tudo, mas sim que devemos desistir de algumas delas. Pergunte a si mesmo: o que está prendendo você? Um velho hábito, uma crença, uma emoção ou um pensamento negativo? O que você precisa para se destacar?


5. Levante todas as opções possíveis


Às vezes você pode se sentir estagnado porque não vê qualquer saída para sua situação atual, sentindo que não tem escolha. Nesses casos, ao levantar as ideias e possibilidades, você expande e abre sua mente para encontrar novas soluções. Quando você encontrar opções em potencial, você deixará esse sentimento negativo e se sentirá mais animado.


Não se trata nem de tomar alguma decisão! É simplesmente deixar a criatividade expandir e ver todas as possibilidades que existem. É possível que você tenha se afundado demais procurando a solução certa e tenha eliminado tudo o que não lhe parecia o ideal. Mas a busca pela perfeição pode gerar uma enorme quantidade de estresse.


Há muitas possibilidades que podem funcionar para a situação em que você está, basta abrir sua mente. Portanto, faça uma lista de todas as soluções possíveis, mesmo que elas pareçam irrealistas.


Quanto mais você deixar sua imaginação voar, melhor. Em seguida, ative a mente racional e analise cuidadosamente todas essas soluções. Existem ideias que valem a pena explorar?


A partir da resposta para a última pergunta, você encontrará uma maneira de seguir em frente.

40 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.