Relacionamento saudável: 6 dicas para amadurecer a relação



Você vive um relacionamento saudável? Quais são os seus critérios para definir uma relação feliz? O que procura num parceiro amoroso?


Essas perguntas, aparentemente simples, instigam reflexões profundas.


Afinal, aprender a valorizar indícios de que estamos com a pessoa certa é tão importante quanto perceber emoções e comportamentos tóxicos.


Lamentavelmente, nem sempre somos hábeis em reconhecer sinais de uma convivência prazerosa e plena.


Isso porque é fácil confundir idealizações e comparações com o que temos a chance de desfrutar.


Aquela imagem de perfeição que, sem nos dar conta, compramos dos contos de fadas hollywoodianos — ou das fotografias de redes sociais — podem estar nublando nossos pensamentos.


Experiências passadas, por vezes frustrantes ou traumáticas, também podem embaralhar a percepção. Há o risco de aceitarmos pouco, apenas por não ser tão ruim quanto o que já vivemos. Ou, ao contrário, exagerarmos nas cobranças, criando expectativas irreais quanto ao novo relacionamento.


Um relacionamento saudável não está isento de falhas, dias ruins e desentendimentos. O que ele deve ser capaz de garantir é a sensação de bem-estar, na maior parte do tempo.

Leia também: Dependência Emocional

Será que você está num bom caminho? Sabe identificar e apreciar hábitos positivos? Para lhe ajudar a amadurecer seu relacionamento, listamos 6 comportamentos que merecem sua atenção. Confira a seguir!


6 Pilares do relacionamento saudável


Seria um equívoco ditar as regras de um relacionamento amoroso, como se houvesse uma fórmula para guiar todos os casais.


Pessoas diferentes desejam coisas e experiências diferentes. Não vamos diminuir essa verdade.


Mas existem características, referentes às dinâmicas do convívio, que são benéficas, independente das personalidades dos envolvidos.


Assim, podemos considerar que as bases de um relacionamento feliz incluem:


1. Autoconhecimento


Como acabamos de afirmar, desejos, necessidades e expectativas variam, de pessoa para pessoa.


Aliás, os anseios também se modificam com o tempo. O que era prioridade há anos, pode ser irrelevante no presente. E vice-versa.


Embarcar numa relação sem compreender os contornos da própria identidade é um convite à anulação de si — e à constante insatisfação.


Claro, nossas identidades são flexíveis, evoluem, passam por transformações.


Porém, para que esse processo seja positivo, é necessário que seja reflexo do comprometimento com o encontro da própria voz — e não o eco de gostos e vontades alheias.


Esqueça a ideia de buscar sua “metade” numa relação. Seja inteiro. E procure por alguém nas mesmas condições.


2. Comunicação


Embora pareça um quesito óbvio, muitos casais fracassam, justamente, nesse ponto.


Um relacionamento saudável é abundante em conversas. Sobre os mais variados assuntos. Momentos do dia a dia, amenidades, conquistas, dúvidas… Compartilhar constrói confiança e cumplicidade.


Falar e ouvir deve ser um interesse recíproco. Quem fala e não escuta está tão sozinho quanto aquele que se resigna com o silêncio.


Nem todas as conversas serão prazerosas. É natural que o convívio gere atritos e divergências. Pode ser difícil expressar sentimentos, mas apenas quando eles estão “na mesa” é que poderão ser resolvidos.


Apenas lembre que conversar não é agredir. Em vez de atacar o outro, apontando seus erros e defeitos, diga como você se sente em função do que ocorreu.


É um modo mais eficiente de mostrar seu ponto de vista e resolver diferenças.


Caso isso lhe pareça impossível, cuidado! Sem comunicação assertiva, seu relacionamento, inevitavelmente, caminhará para um distanciamento.


3. Respeito


Casais maduros entendem que não precisam concordar em tudo e dão espaço à independência de opiniões e preferências.


Mais do que isso: admiram essa autonomia, pois as diferenças enriquecem a convivência, a troca de ideias, a descoberta de novas experiências.


Onde existe respeito, não há espaço para humilhações, agressões, intransigências e medo.


Respeito proporciona intimidade, transmite segurança para a exposição dos pensamentos mais profundos, sem receio de julgamentos.


4. Confiança


Controle, vigilância e ciúmes excessivos não são sinônimos de cuidado e bem-querer.


Há algo muito errado quando, para “confiar” no parceiro, é preciso limitar sua privacidade e liberdade.


O comportamento do outro dá margens a interpretações negativas? Converse. Exponha suas razões e limites.


Deixe claro quais atitudes considera desagradáveis e o que, exatamente, considera traição.


Avalie, também, se não são os fantasmas de relações passadas os responsáveis por sua insegurança.


Você não vai esquecer suas cicatrizes. Mas, se elas ainda forem feridas abertas, concentre-se em curá-las. O novo relacionamento não merece arcar com as dores de uma experiência anterior.


5. Apoio


Companheirismo e incentivo mútuo fazem parte do dia a dia de relações sólidas.


O parceiro ideal é aquele que apoia as escolhas do outro. Tem interesse em contribuir para a realização de sonhos. Comemora o sucesso e empresta forças para a superação das derrotas.


Mesmo em situações banais, a oferta de ajuda faz muita diferença. Nos detalhes, a vida em comum se fortalece. Tudo fica mais leve quando o fardo é compartilhado.


Leia também: Empatia: o segredo para uma vida melhor


6. Afeto


Declarações de amor não precisam ser eventos extraordinários.


O afeto honesto se expressa por meio de gestos simples e discretos, que invadem o cotidiano.


Está no beijo ao se despedir, no abraço do reencontro, na mensagem que compartilha uma imagem bonita ou engraçada.


Está no “saúde”, depois do espirro. No convite para assistir, juntos, à série que acabou de estrear.


Está nos apelidos, nas confidências, nos elogios, nas memórias cultivadas. Está nas mínimas atenções e delicadezas.


Em resumo: a melhor tradução de um relacionamento saudável é a quantidade de sorrisos diários, que cada parceiro é capaz de despertar no outro.


Se você sorri, está em boa companhia.


Gostou do artigo? Então o compartilhe em suas redes sociais!


#Psicologia #VilaMariana #Psicóloga #SaúdeMental #Relacionamentos

28 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.