Supere o complexo de inferioridade: fortaleça sua autoestima!


O autoconhecimento é essencial para fortalecer a autoestima.

Para que você supere o complexo de inferioridade, a primeira regra é se conhecer.


Então, procure responder às seguintes perguntas:


  • Você se sente infeliz consigo mesmo na maior parte do tempo?

  • Compara sua personalidade e aparência às características de outras pessoas, se avaliando de modo desfavorável?

  • Seus sentimentos de inadequação são muito frequentes?

Bem… se, de fato, essas percepções refletem sua noção de autoimagem, está mais que na hora de aprender a refutá-las!


Afinal, essa avaliação negativa provavelmente está interferindo em sua saúde mental, em suas escolhas profissionais e em seus relacionamentos.


Até porque aquilo que pensamos sobre nós é o que, em grande parte, define as oportunidades que abraçamos (ou rejeitamos), nosso humor e o comportamento que estabelecemos com os outros.


Mas, calma! Não estamos dizendo tudo isso para deixar você se sentindo culpado ou sem noção do que fazer para reformular seus pensamentos.


Ao contrário! Se você encontrou este texto é porque espera ajuda — e nós estamos aqui, justamente, para oferecê-la.


Quer saber como?


Então continue a leitura e descubra dicas de especialistas para que você supere o complexo de inferioridade e encontre uma versão mais a otimista (e empoderada) de si mesmo.



Supere o complexo de inferioridade aceitando o problema


Não, você não leu errado.


Por mais paradoxal que, a princípio, essa ideia pareça, ela faz todo sentido.


Mais do que isso: sem a etapa de aceitação é impossível avançar para mudanças.


Pense, por exemplo, em alguém que tem pressão alta.


Enquanto a pessoa viver em negação sobre o problema, não se comprometerá a fazer alterações em seu estilo de vida.


E, o que é pior, a situação tende a se agravar em função do desleixo.


O mesmo vale para as questões referentes ao bem-estar psicológico.


O primeiro efeito de aceitar uma condição (seja qual for) é que você dá um nome e uma explicação para o que sente.


O problema deixa de ser um “todo”, que se confunde com sua identidade, para se tornar algo específico, que você pode entender e gerenciar melhor.



Procure a origem de seu complexo de inferioridade


O desenvolvimento do complexo de inferioridade costuma estar atrelado às experiências do passado.


Relações abusivas, traumas, negligência dos pais ou a própria cultura com a qual você cresceu (que estabelece estereótipos de beleza, inteligência, sucesso…) podem ser as causas de seu sentimento de inadequação.


Encontrando a raiz de sua insegurança, você tem ocasião de questionar seus julgamentos, desenvolvendo um novo ponto de vista.


Talvez você precise de ajuda nesse processo.


A solução mais objetiva é buscar acompanhamento psicológico.



Aumente a proporção de pensamentos positivos


Hábitos saudáveis atraem pensamentos positivos.

Segundo um artigo publicado pela National Science Foundation, temos de 12.000 a 60.000 pensamentos por dia.


Ainda de acordo com o estudo, a tendência é que 80% desses pensamentos sejam negativos e 95% deles não passem de repetições do dia anterior.


Considerando que nossas emoções e comportamentos são influenciados por nossos pensamentos, temos aí a receita para tantos mal-estares.


Supere o complexo de inferioridade quebrando esse círculo vicioso!


Parece uma decisão simples, não é mesmo?


Mas, convenhamos, não é bem assim.


Você precisa praticar e adquirir disciplina em relação a estratégias que vão ajudá-lo nesse sentido.


Experimente estas técnicas:


1. Busque consciência sobre seu diálogo interno (a conversa que tem consigo mesmo)


E, quando notar que está envolvido com um pensamento negativo, interrompa o fluxo com uma percepção otimista sobre si mesmo.


2. Crie um ritual para começar bem o dia


Ouça músicas que o deixam animado.


Diga a si mesmo que o dia está cheio de oportunidades.


Fique em frente ao espelho e dirija palavras encorajadoras à sua figura.


Não se preocupe em “acreditar” no que pensa. Apenas faça, sem julgamentos.


Uma das melhores técnicas para melhorar a autoestima ensina que você pode começar “fingindo” (como se fosse um ator, incorporando um personagem) até se tornar aquilo que deseja ser.


3. Estreite o convívio com pessoas positivas


Uma das coisas que dificulta a superação do complexo de inferioridade é a convivência com pessoas que nos deixam deprimidos e ansiosos.


Talvez você não consiga se “livrar” de todas as influências negativas que o cercam.


Mas pode minimizá-las.


Diversifique suas amizades. Faça um esforço para ampliar a comunicação com aqueles que o fazem se sentir bem.

Isso também vale para os contatos nas redes sociais!

Pratique o “unfollow terapêutico”.

4. Dê espaço para a gratidão

Uma ideia é reservar um tempo, antes de dormir, para escrever 3 coisas pelas quais você se sente grato no dia que passou.

Estudos mostram que o exercício da gratidão favorece o bem-estar e otimismo!


Treine sua assertividade

Pessoas com complexo de inferioridade tendem a ter um comportamento de esquiva ou fuga, evitando emitir sua opinião de forma clara.

Seja por medo de rejeição ou por menosprezar seu próprio ponto de vista, acabam sendo muito condescendentes com os outros e demonstram dificuldade de dizer “não” — mesmo que se sintam sobrecarregadas com o que lhes é pedido. Depois, se sentem ainda piores, julgando que são incompetentes e fracassadas, por não dar conta do excesso de responsabilidades.

Para que você supere o complexo de inferioridade, dê atenção ao seu estilo de comunicação.

Escolha ser uma pessoa assertiva. Essa habilidade pode ser aprendida.

Você encontra várias dicas sobre a prática de assertividade na internet — inclusive neste blog!

Outra opção é conversar com um psicólogo que trabalhe com terapia cognitivo comportamental (TCC). O treino de assertividade é uma das técnicas utilizadas por esse tipo de profissional.

Claro, seu complexo de inferioridade não vai sumir da noite para o dia, num estalar de dedos.

Mudanças levam tempo.

Mas pense que, em cada atitude de enfrentamento, você está construindo uma nova versão de si mesmo.

É a soma que faz a diferença. Lembre-se disso!



Filmes que estimulam a resiliência.


Clinica de Psicologia Nodari

Clínica de Psicologia Especializada em Terapia Cognitivo Comportamental.

Está localizada na Vila Mariana/SP

18 visualizações

Rua Domingos de Morais, 2781, conj. 310

04035-001, Vila Mariana, São Paulo, SP

Ao lado da estação metrô Santa Cruz

Estacionamento gratuito no local

whatsapp-512.png
  • icone_facebook
  • icone_instagram

© 2019 | site da Clínica de Psicologia Nodari.